Confira os principais cuidados com as doenças no Outono

07/03/2017

outono-am-40-k7kb-u10870637459zmf-1024x566gp-web

A chegada do outono ameniza o calor do verão e traz um clima mais fresco. Com a estação, variadas doenças surgem, dentre outros fatores, dos quais podemos destacar uma maior convivência em ambientes fechados, as variações das temperaturas e o clima frio e seco, característicos da estação, facilitam a ocorrência de doenças respiratórias. Sinusite e bronquite, gripe, asma, são apenas algumas delas, além das alergias nas vias respiratórias.

Os maiores afetados durante a transição para a estação das folhas são as crianças e os idosos, portanto, torna-se necessário ficar atento em relação de alguns possíveis sintomas que apontam para as doenças mais comuns no outono.

 

Principais doenças nas estações mais frias

 

A gripe e o resfriado estão no topo. A primeira é altamente contagiosa, ataca as vias respiratórias e é causada pelo vírus Influenza, que é transmitido pelo ar. Existem remédios para aliviar os sintomas, mas não uma cura milagrosa. Alguns dos sintomas são: dores de cabeça, inflamação nos olhos, febre alta e dores pelo corpo. Já o resfriado é uma infecção mais leve nas aéreas superiores (nariz e garganta). Em ambos os casos, torna-se indispensável trabalhar em cima da prevenção, uma vez que o tratamento para o Influenza é caro e deve ser aplicado durante as primeiras 24 horas de infecção; quanto aos resfriados não há um tratamento específico, embora as duas doenças possam ter seus efeitos amenizados através do uso de antigripais.

A melhor maneira de prevenir-se ainda é recorrendo ao uso das vacinas. A importância da prevenção se faz necessária quando sabemos que infecções virais diminuem a imunidade do organismo, deixando-o desprotegido para doenças de maiores riscos, como a pneumonia. É importante manter a carteirinha de vacinação em dia, afinal, a vacinação deve ser feita durante todos os anos.

A asma pode ocorrer durante as estações mais frias do ano. Ela age congestionando os brônquios e impedindo que o ar chegue os pulmões. A falta de ar é o principal sintoma e a doença pode ser causada devido a reações alérgicas ou infecção das vias respiratórias. A melhor forma de prevenir é mantendo-se longe dos agentes alérgicos.

A pneumonia é uma das mais perigosas doenças deste grupo, afinal, em casos mais extremos pode levar o paciente à morte. A infecção atinge os pulmões integral ou parcialmente, tendo como fortes sintomas dores no tórax, febre alta e tosse com escarro, além de calafrios, suor excessivo e extrema palidez.

A rinite é uma reação alérgica que causa coceira, olhos lacrimejantes e espirros. Trata-se de uma infecção das mucosas do nariz. Não é contagioso e o tratamento é feito através de antialérgicos, analgésicos, antitérmicos e descongestionantes.

A sinusite é a inflamação das vias nasais, alguns de seus sintomas são: dor de cabeça, dor facial, corrimento nasal e congestão nasal. Geralmente não precisa de nenhum tratamento, exceto para aliviar os sintomas sentidos.

A bronquite é a inflamação da mucosa da traquéia e dos brônquios grossos e médios, e existem dois tipos dela: a bronquite aguda e a crônica. Alguns dos sintomas são: tosse seguida de expectoração, falta de ar e chiado. O tratamento para a bronquite é realizado através de expectorantes, antibióticos e inalação.

As alergias normalmente ocorrem com a reação do organismo em relação a alguma substância. Nas épocas de temperaturas frias, as principais formas de alergias são as respiratórias. A automedicação não é indicada, pois, a alergia deve ser detectada por um médico, para que o tratamento adequado possa acontecer. Coriza, tosse, irritação nos olhos, na garganta e na pele são sintomas de alergias e requerem atenção, principalmente em crianças.

Essas são algumas das principais doenças que surgem com a chegada do outono, e muitas vezes no inverno também, conhecê-las é importante para saber identificar os sintomas antes de procurar auxílio médico. Outro fator com grande importância é saber como prevenir-se contra elas.

crianc3a7a-gripada

No dia a dia

 

Imagine uma criança gripada na creche em um dia frio. Ela passará a maior parte do tempo em um local fechado na presença de outras crianças, assim, a gripe que pode ser transmitida até mesmo pela fala, e ainda mais através de espirros, será espalhada entre todos. O mesmo pode acontecer em filas de bancos ou dentro dos ônibus, infelizmente, todos estão sujeitos ao vírus, até mesmo dentro de casa.

Pequenas atitudes, que não consomem muito tempo no dia a dia, possuem grande valia para evitar grandes problemas:

 

1.     Deixe o ar circular e mantenha a casa arejada. Mesmo em dias mais frios é importante abrir as janelas e permitir maior ventilação em casas e escritórios, em qualquer lugar possível, para evitar a proliferação dos vírus.

2.     Ambientes fechados e com grande concentração de pessoas devem ser evitados. Não é sempre que se consegue fugir da fila do banco ou de um ônibus cheio. No caso dos bancos é permanecer o menor tempo possível. Nos ônibus procure sempre ficar próximo das janelas. Lembre-se que o vírus viaja através do ar.

3.     Uma alimentação saudável é essencial. Um cardápio bem elaborado de frutas e legumes, além da ingestão de muito líquido, como água e suco – principalmente aqueles com vitamina C – também são agentes da prevenção contra os vírus.

4.     Lavar as mãos constantemente. As mãos trabalham o dia inteiro e, consequentemente, entram em contato com muitas impurezas. Sendo assim, tornar o ato de lavar as mãos com freqüência em um hábito é importante para qualquer estação do ano, principalmente no outono.

5.     Vacine-se! A principal maneira de prevenção contra a gripe acontece através da vacinação regular. Ainda mais necessária nas crianças e idosos, pois eles são amplamente mais afetados pelas doenças citadas.

vacina-menino-tomando-vacina-vacinacao-1430832079691_1920x1080

O outono é uma estação adorável, mas que requer certos cuidados e muita atenção aos pequenos sintomas. A prevenção é o melhor caminho e não exige muito esforço. Ainda assim, em caso de sintomas, procure ajuda médica sempre e evite a automedicação em casos mais graves. Vale lembrar que o quanto antes os tratamentos começarem melhor será.

Deixe sua resposta

Curta nossa página!